Serra da Mantiqueira - Foto por Juliane Quintanilha Januncio

Unifei trabalha em projeto IoT para o monitoramento de montanhistas e proteção da Serra da Mantiqueira

Para a conservação da Serra da Mantiqueira pesquisadores da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) trabalham em um projeto baseado na Internet das Coisas (IoT) para o monitoramento de montanhistas, proteção e conservação da Serra da Mantiqueira, uma das mais belas cadeias de montanhas do país. O projeto liderado pela professora Daniela Rocha estuda a viabilidade de uso da tecnologia de Rede LoRaWAN para instalação de sensores na região.

A pesquisa será conduzida na Serra Fina, uma seção da Serra da Mantiqueira, muito conhecida por suas trilhas onde também há um projeto para a contagem de pessoas na trilha. Guias experientes irão percorrer a trilha munidos de um rastreador LoRa para identificar as áreas que recebem o sinal de transmissão da Rede LoRaWAN da American Tower.

“Projetamos o rastreador LoRa, iremos colocar na mochila de um guia, e vamos acompanhar o sinal no GPS. Eu acredito que vamos encontrar o sinal da Rede LoRaWAN em grande parte da trilha, e também, espero que a gente tenha a transmissão mais alta do Brasil feita em terra, a 2798 metros”, comentou José Alberto um dos pesquisadores do projeto. Várias empresas têm apoiado o desenvolvimento do protótipo tendo em vista as condições extremas de operação.

Serra da Mantiqueira

Incêndio na Pedra da Mina, em São Paulo — Foto Divulgação – Corpo de Bombeiros

O otimismo do professor tem como base a capacidade de resistência à ruído, o alcance e o baixo consumo da rede LoRa. Nos estudos preliminares o rastreador já alcançou distância entre 20 km e 50 km com visada direta e com baixa perda de pacote. Por essa razão, José Alberto acredita que será possível enviar sinais da Pedra da Mina para a Torre da American Tower localizada na cidade de Queluz (SP).

Protegendo a Serra da Mantiqueira com IoT

A importância de se rastrear o sinal de transmissão da Rede LoRaWAN na Serra da Mantiqueira é justificável por inúmeras razões. Com unidades de conservação e áreas de proteção ambiental o local atrai turistas e montanhistas dispostos a percorrer suas inúmeras trilhas ou aproveitar as belezas naturais.

Mas em 2020, um incêndio de grandes proporções queimou mais de 600 hectares da vegetação local, o equivalente a 460 campos de futebol. O combate às chamas realizado pelos montanhistas, bombeiros de São Paulo, Minas Gerais e militares das forças armadas levou sete dias para ser concluído.

Serra da Mantiqueira

Trilha na Serra Fina -crédito da imagem: Campim Amarelo Montanhismo

A instalação de dispositivos IoT na Mantiqueira pode evitar novas tragédias como esta. Sensores podem identificar e enviar alertas com a localização de incêndios, o que torna mais ágil o trabalho dos bombeiros. Além disso, também será possível monitorar os visitantes que se aventuram em quase 30 km de trilha na Serra Fina e localizar aqueles que estão perdidos.

“Encontrar o sinal de transmissão vai abrir um enorme campo de medição nos parques e reservas nacionais que a gente ainda nem imagina. Poderemos medir, por exemplo, gases, temperatura e umidade em tempo real na Serra Fina”, destacou o professor José Alberto.

O projeto foi registrado e aprovado pelo ICMBio – APA Serra da Mantiqueira e conta com apoio dos guias locais, proprietários de terras do entorno da APA e de universidades parceiras.

A Universidade Federal de Itajubá é parceira do Centro de Referência em Internet das Coisas, INOVAi. Se você é do ecossistema de Itajubá e região, e tem interesse em desenvolver projetos de IoT com a tecnologia de Rede Neutra IoT LoRaWAN da American Tower, acesse inovai.org.br para saber mais!

Compartilhe!

Capas Blog IoT Labs- Serie Centros de Referencia - COR - 1200 x 628

Com modelo pedagógico disruptivo BandTec capacita profissionais em áreas de tecnologia

A faculdade BandTec Digital School é mais uma integrante da iniciativa IoT Labs como Centro de Referência em Internet das Coisas. A plataforma criada pela American Tower está viabilizando o acesso de tecnologias de Internet das Coisas usando a Rede Neutra IoT LoRaWAN da American Tower para experimentar, interagir, testar e entender as aplicações fim a fim.

Em seus laboratórios são fomentadas diversas iniciativas de Internet das Coisas (IoT), como debates, encontros, palestras e apresentação de produtos e soluções desenvolvidas pelas estudantes e também encontros da comunidade de IoT.

A faculdade foi pensada para ser uma ponte entre o mundo acadêmico e o mercado de trabalho. A instituição foi criada por um grupo de pessoas físicas com uma visão disruptiva sobre como deve ser pautada a formação no ensino superior. Por isso seu modelo acadêmico, batizado de Geração Futura, tem como base três pilares: a simbiose, a liderança pedagógica e a formação socioemocional.

O primeiro pilar, a simbiose, foi pensando para que todos os estudantes pudessem assimilar a experiência acadêmica e profissional simultaneamente. Na BandTec 100% dos estudantes trabalham em áreas de tecnologia a partir do segundo semestre do curso. É a partir da simbiose que os estudantes passam a ter uma experiência real de conexão com o mercado de trabalho.

No segundo pilar, a liderança pedagógica, os professores possuem dedicação exclusiva à instituição, garantindo atenção plena aos alunos. As aulas também são coordenadas de modo que as disciplinas possam ser integradas, com o planejamento em bloco. O terceiro pilar, a formação socioemocional, trabalha as emoções, desenvolvendo resiliência, foco, disciplina, planejamento, trabalho em equipe e comunicação. Este pilar foi desenvolvido para que os estudantes possam aprender a reagir às situações diversas no ambiente de trabalho.

Nesse modelo acadêmico os alunos possuem bolsa de 100% no primeiro semestre e estudam 6h por dia. A partir do segundo semestre, quando inicia o estágio, a carga horária na faculdade passa a diminuir gradativamente ao longo do curso, para que haja maior dedicação ao trabalho. O modelo acadêmico atraiu a parceria de diversas empresas, muitas estão instaladas no prédio, possibilitando que os alunos possam ter contato com este mundo coorporativo e aumentando as oportunidades de conexão.

Entre os parceiros da BandTec estão o Banco Safra, Logicalis, Getnet, Tivit, C6 Bank, Boa Vista e muitos outros. O resultado dessas parcerias e do modelo de ensino vai além da garantia de estágio para todos os alunos. Muitos estudantes são contratados ainda no último ano de curso, sendo que 70% são efetivados pelas empresas onde fazem o estágio. Desde a aquisição da faculdade, em 2016, o índice de desistência caiu de 79% para 10%, um dado muito superior ao de outras universidades.

“O papel da BandTech é de incentivar o desenvolvimento de soluções IoT sobre o ponto de vista da pesquisa acadêmica. Como faculdade, incentivamos isso a luz do nosso papel que é formar profissionais em tecnologia com base em programação”, comentou Rafael Petry, diretor de comunicação e marketing.

Se você é do ecossistema de São Paulo e região, tem interesse em desenvolver projetos de IoT, aproveitar o suporte técnico e a expertise da BandTec, além da tecnologia da Rede Neutra ATC LoRaWAN®, acesse: www.sptech.school.

Compartilhe!

Capas Blog IoT Labs- Serie Centros de Referencia - Maua - EV - 1200 x 628

Centro de Operações Rio é um inovador hub para cidades inteligentes

A cidade do Rio de Janeiro possui um dos maiores complexos de monitoramento de eventos do mundo. O Centro de Operações Rio (COR) monitora a cidade 24 horas por dia, sete dias por semana com o objetivo de antecipar soluções e minimizar o impacto de ocorrências urgentes na cidade, como fortes chuvas, deslizamentos e acidentes de trânsito. Na sede do COR, 30 órgãos trabalham de maneira integrada. São secretarias municipais, estaduais e concessionárias de serviços públicos.

Este hub de inovação integra a iniciativa IoT Labs, plataforma onde empresas parceiras interagem, testam e entendem fim a fim as aplicações IoT utilizando a Rede Neutra ATC LoRaWAN®. A iniciativa promovida pela American Tower reúne dezenas de empresas parceiras do ecossistema, centros universitários, institutos de P&D e centros de fomento e aceleração de empresas e startups que possuem grande conhecimento em IoT LoRaWAN®.

No moderno prédio de quatro pavimentos trabalham 500 profissionais, em três turnos diários. Eles monitoram dados gerados por cerca de 800 câmeras e por 33 pluviômetros. Este trabalho é realizado na sala de controle, onde uma média de 50 controladores, por turno, pode trabalhar simultaneamente, acompanhando os dados gerados por um poderoso software.

O Geoportal é uma ferramenta com mais de 150 camadas de informação georreferenciadas que permite uma visão integrada e única dos dados fornecidos pelos principais órgãos envolvidos na rotina da cidade. Com a ferramenta, o COR acompanha informações de transporte, trânsito, meteorologia, índice pluviométrico, localização de escolas e hospitais e ocorrências que podem impactar na rotina do cidadão em um mapa inteligente.

Além dos pluviômetros, o COR também tem a disposição um radar meteorológico, instalado no Morro do Sumaré. Com alcance operacional de 140 km de raio, o equipamento monitora o deslocamento dos núcleos de chuva e em quais bairros eles atuam. O COR também mantém uma parceria importante com o aplicativo de trânsito mais usado no mundo. Com o apoio do Waze o Geoportal recebe informações sobre o trânsito em tempo integral. Os alertas que chegam direto do cidadão através do aplicativo torna mais rápida a tomada de decisão para acionamento de ativos e recursos públicos.

As informações mais relevantes para a população são compartilhadas por uma agência de comunicação gerenciada pelo COR. Os dados são disponibilizados nas redes sociais e no website do centro de operações, podendo alcançar mais de 7 milhões de perfis. Cerca de 100 relógios digitais espalhados pela cidade podem levar alertas em tempo real para quase um milhão de pessoas. O carioca também tem à disposição o app COR.Rio, que coloca na palma da mão dos usuários todas as informações citadas, além disso, através do app é possível relatar problemas que afetam a rotina da cidade. Atualmente, são mais de 200 mil usuários.

O COR é mais que um centro de operações. Com profissionais especialistas em infraestrutura de cidades e milhares de dados cooptados para um centro integrado, o COR também opera como um Hub de inovações integrando soluções para transformar o Rio de Janeiro em uma verdadeira cidade inteligente. Empresas de inovação tecnológica encontram no centro total apoio para implementar soluções inteligentes na cidade.

Através do programa Desafio COR, startups são atraídas para operar em parceria com o COR, tendo acesso a dados importantes para aplicação de soluções inteligentes, além da mentoria de especialistas com conhecimento profundo da cidade e seus principais desafios. Com isso, as necessidades de intervenção são solucionadas de maneira mais veloz, evitando burocracias que poderiam atrasar a aplicação do projeto.

“Estamos trabalhando para retomar o protagonismo do Rio de Janeiro no cenário de cidades inteligentes, recuperando algumas iniciativas e investindo em novos indicadores e metas inseridos nos planejamentos estratégicos da cidade e seguindo normas internacionais. O nosso objetivo é ver o Rio ocupando a posição de destaque no cenário nacional e internacional do ranking de cidades inteligentes. Isso impactará diretamente na vida dos cariocas, com melhores serviços e qualidade de vida”, destacou Bruno Ramos, CEO do Centro de Operações Rio.

Se você é do ecossistema do Rio de Janeiro e região, e tem interesse em desenvolver projetos de IoT, aproveitar o suporte técnico e a expertise do Centro de Operações Rios, além da tecnologia da Rede ATC LoRaWAN®, acesse cor.rio para saber mais!

Compartilhe!